Foto de capa: divulgação

Vinte anos de vida, um bocado de história e muitos sabores. O Festival Cultura e Gastronomia Tiradentes, realizado na cidade de mesmo nome, chega às duas décadas na melhor forma, apesar de toda a experiência gastronômica vivida. Nada de desgaste, de saturação ou repetição. Pelo contrário. Como diz o diretor do evento, Rodrigo Ferraz, “melhor que chegar aos 20 anos, é chegar aos 20 anos de forma ascendente”.

O festival, que neste ano vai de 18 a 27 de agosto, é um dos marcos turísticos do calendário de Minas Gerais, especialmente o gastronômico. Pelas 20 edições, já passaram chefs e público de várias partes do país e do mundo. Hoje, o foco é voltado para a gastronomia brasileira, formato diferente do inicial, quando chefs internacionais eram convidados para participar da festa. “Isso é uma evolução muito grande, porque a gente saiu de um evento que era totalmente internacional e baseado em atrações. A gente evoluiu e chegou a um evento que é Brasil e educação, valorizando o que é nosso”. Essa migração de enfoque começou em 2001, conforme Rodrigo.

Tema é Minas Gerais

Neste ano, uma das ações que consagram esse movimento de valorização local é o tema do evento: todo voltado para Minas Gerais, com uma seção especial para a região do Campo das Vertentes, onde está localizada Tiradentes. O Festival é organizado, desde 2009, pelo Projeto Fartura – Comidas do Brasil, que, a cada ano, viaja para um destino do Brasil fazendo pesquisas que depois se transformarão em livros, fotos, documentários e outros suportes que servem à educação e à documentação da riqueza da culinária nacional. Neste ano, o projeto viajou por Minas Gerais, de norte a sul, e esse material será exibido em primeira mão em Tiradentes. O livro que aborda MG será publicado no ano que vem e será o primeiro de uma série com foco em apenas um estado (ou dois, dependendo do número de cidades) – o novo mote das viagens do Fartura.

Rodrigo Ferraz: “Minas é o melhor lugar para se comer”. Foto: Natália Alvarenga

Outra mudança no Festival tem a ver com o perfil que era veiculado: antes, era mais associado à alta gastronomia e à gastronomia internacional, o que acabava atraindo um público mais específico e afastando a população geral. Hoje, mesmo tendo variações da alta gastronomia, o evento tem outras dinâmicas e opções, tornando-se mais acessível ao público geral.

“Vem ficando mais próximo da sociedade”, diz Rodrigo. Essa mudança coincide com um momento em que as pessoas têm mais interesse em saber a proveniência da comida. “É importante que as pessoas tenham mais conhecimento sobre o que elas comem. A Operação Carne Fraca (desencadeada no início deste ano pela Polícia Federal) teve essa importância: as pessoas passaram a questionar ‘de onde estou comprando as coisas?’”.

 

Programação

A programação dos 20 anos do Festival Cultura e Gastronomia Tiradentes está repleta de atrações e novidades. Uma delas é o Projeto Experiências Comidas do Brasil, em que serão filmados e capacitados quatro produtores do Campo das Vertentes. O material será divulgado pelo Festival, por meio de redes sociais e outras mídias, como forma de promover o desenvolvimento econômico local.

O evento conta também com aulas gratuitas (as inscrições devem ser feitas na hora e são por ordem de chegada), Concurso Estadual do Queijo Minas Artesanal (realizado pela Emater-MG) e Espaço Sesc Campo das Vertentes. Fora todo o turismo gastronômico proporcionado pela participação de 30 restaurantes da cidade no Tour Gastronômico, no qual eles criam um prato especificamente para o evento, os festins e jantares especiais, com menu degustação em quatro restaurantes, atrações paralelas, como o famoso leitão à pururuca de Luiz Ney, e restaurantes e produtores nas praças. Também haverá atrações culturais e serão homenageadas pessoas que estiveram presentes nas 20 edições do Festival.

Chefs confirmados

Ilmar de Jesus – Casa Cheia

Flávio Trombino – Xapuri

Caetano Sobrinho – A Favorita

Rodrigo Zarife – Ro.Za Bistro

Márcio Santoro – Albanos

Iara Rodrigues – Quitandarte

Rafael Pires – Pacco e Bacco

Laura Cota – De Lá

Ricardo Rodrigues – Maria das Tranças

Gabriel Valadão – Queijaria Bem Mineiro

 

Artistas confirmados

Destaques da escola de música da Universidade Federal de São João del-Rey

Fernanda Takai

Alda Rezende

Wilson Sideral

Thiago Delegado

Aline Calixto

Weber Lopes com Paulo Santos (Uakti)

Espaços

Praça da Rodoviária: shows, cozinha ao vivo, estandes com representantes de importantes restaurantes mineiros

Praça do conhecimento: aulas teóricas e interativas com nomes da gastronomia

Praça das Vertentes: chefs e atrações musicais; espaço vai valorizar a região do Campo das Vertentes, composta por 36 municípios, dentre eles, Tiradentes

 

Meio milhão de pessoas já passaram pelo Festival nesses 20 anos. Foto: Rodrigo Sampaio

Crescimento

 A ascendência do Festival Cultura e Gastronomia Tiradentes é comprovada pela repercussão do evento em todo o país e também por dados. De acordo com Rodrigo Ferraz, há um crescimento entre 5% e 10% no público que comparece ao Festival a cada ano. Metade dos participantes é de fora de Minas e metade é originária do estado. Além disso, há cerca de 2% a 3% de público internacional.

Os números do Festival mostram, nesses 20 anos, o envolvimento de mais de 3 mil profissionais da gastronomia, 2 mil atrações gastronômicas, cerca de 900 artísticas e meio milhão de visitantes. A cidade tem dois restaurantes dentre os considerados 50 melhores do país e duas estrelas no Guia 4 Rodas. Tudo isso mostra o grande potencial que Minas ainda tem para o desenvolvimento do turismo gastronômico. “Nenhuma gastronomia é melhor que a outra, porque isso é muito subjetivo, mas Minas Gerais é o melhor lugar para se comer, porque temos tradição, diversidade, excelente gastronomia e temos a calorosidade do mineiro. Gastronomia não é só o que se come, é também o que está em volta”.

Gastronomia envolve também o que está no entorno. Foto: divulgação