Select Page

12 Dicas para Comprar Cachaça de Qualidade

12 Dicas para Comprar Cachaça de Qualidade

Confira as dicas do site Mapa da Cachaça para escolher uma ótima cachaça. Em Minas Gerais você encontra várias cachaças que seguem os critérios indicados, sendo a cachaça Germana uma ótima sugestão. No site Minas Collection você compra online a sua cachaça Germana, juntamente com outros produtos típicos de Minas Gerais.

1. REGISTRO NO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA (M.A.P.A)
Verifique se a Cachaça é registrada no Ministério da Agricultura. Para isto, procure o número que geralmente está no verso do rótulo/garrafa junto com outros dados (endereço, dizeres legais, etc.). Este registro deve garantir que o produto está de acordo com a legislação e segue normas de fabricação recomendadas pelo órgão – um primeiro grande passo para a garantia de sua qualidade final para você comprar cachaça tranquilamente.

O endereço do fabricante, o lote da bebida e outras informações legais do rótulo devem estar obrigatoriamente presentes, indicando que aquele alambique está atento aos procedimentos mínimos de regularização. Também é importante checar se o produto tem o selo de recolhimento do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados – sim, mesmo as ditas “artesanais” seguem esta denominação tributária). O lacre da Receita Federal não atesta a qualidade do produto, mas indica que a Cachaça paga seus impostos regularmente. Isto por sua vez te afasta de comprar uma Cachaça com produção clandestina que, com certeza, não terá nenhum tipo de fiscalização.

2. INDICAÇÃO GEOGRÁFICA
Muitas vezes, há grandes chances de produtos de regiões já famosas (como Paraty e Salinas, etc.) serem muito bons. Mas infelizmente há produtores que se aproveitam desta fama e oferecem um produto que deixa a desejar. Por isto ainda não dá para confiar, de olhos fechados, em qualquer marca desses locais. Para evitar comprar cachaça ruim, seria necessário controlar a “denominação de origem”, ou seja: atestar que toda produção de uma região famosa seja feita dentro de padrões de qualidade específicos. É isso que acontece com o vinho, através da chamada D.O.C (Denominação de Origem Controlada, ou “A.O.C”, em francês), ou mesmo com a Tequila. Aqui no Brasil, estes selos ainda estão em processo de implantação. Paraty é a primeira região a empregar a Indicação Geográfica da Cachaça!

3. PREMIAÇÕES E RANKINGS
Algumas Cachaças exibem em seus rótulos selos de premiações ou rankings de revistas ou eventos. Somadas as dicas anteriores, estas são boas orientações na hora de comprar cachaça. Concursos realizados por importantes universidades brasileiras – que também são centros de pesquisa, como a USP e a UNESP – podem ser bons indicativos.

4. CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE
Cada vez mais Cachaças estão recebendo um selo de certificação do INMETRO (ou de organismos a ele afiliados). Este selo garante, dentre outras coisas, que a qualidade química da bebida está sendo supervisionada segundo alguns padrões mais rígidos. No entanto, esta certificação não é obrigatória para a Cachaça, e muitas delas (mesmo as mais famosas) não contam com este selo. Portanto, não se preocupe se a Cachaça que você estiver escolhendo ainda não possuir este selo. E fique mais tranquilo ainda se ela já o tiver.

5. SELOS DE ASSOCIAÇÕES
Algumas associações, como a AMPAQ, Associação Mineira dos Produtores de Cachaça de Qualidade, fornecem selos a seus associados. Estes institutos geralmente apoiam a regularização dos alambiques e a busca da qualidade da bebida. Eles não participam necessariamente de uma análise sensorial de suas qualidades, mas podem ser um indicativo de que aquele produtor está preocupado com a valorização da Cachaça de Qualidade.

6. CACHAÇAS SEM REGISTRO
É muito comum encontrar produtores vendendo cachaça diretamente em seu alambique, em restaurantes na estrada ou em pequenas lojas. É uma delícia encontrar boas versões da bebida nestes lugares, mas é preciso cuidado com algumas delas: principalmente as vendidas em garrafões ou sem os registros. Muitas vezes praticando preços irrisórios (que podem chegar a 1 ou 3 reais o litro!), muitas pessoas que não têm na produção de cachaça sua atividade principal (são revendedores de cana para outras indústrias, por exemplo), acabam conquistando pessoas como você, ou seu amigo – que jura que aquela é a melhor Cachaça que já tomou na vida. Muitas vezes o produto agrada, é cheiroso e até aparentemente saboroso. A experiência de encontrar a cachaça e bebê-la ali, de maneira especial, corroboram para o seu julgamento. No entanto, é necessário algum cuidado ao comprar cachaça desse tipo: fazer cachaça é até relativamente fácil; mas fazer Cachaça de qualidade, não. É comum que produtos com altos índices de componentes prejudiciais à saúde sejam ao mesmo tempo muito cheirosos e gostosos. Mas também são perigosos para sua saúde. Cuidado!

7. EXAME VISUAL
Sim, por incrível que pareça, essa é uma ótima dica para comprar cachaça! Pegue a garrafa, agite o líquido e verifique se não há elementos em suspensão que possam denunciar a falta de cuidado final na produção. Mesmo se a garrafa for escura, procure examiná-la contra a luz para saber se não há elementos indesejados no que vai beber. Se houver, dê preferência a outras marcas.

8. MADEIRAS
Há uma série de madeiras para envelhecimento e armazenamento da cachaça. Mas como escolher entre uma e outra? A dica para comprar cachaça é uma só: experimentar o máximo. Grosso modo, podemos indicar a bebida envelhecida no Jequitibá para utilização na caipirinha – por seu caráter mais neutro. A Amburana e o Bálsamo têm seus sabores peculiares que valem a pena serem apreciados puros, ou até com gelo. A Amburana (ou Umburana, ou Cerejeira) costuma ser mais “adocicada”, menos amadeirada que o Bálsamo. Já este é muito comum na tradicionalíssima região de Salinas (MG). O Carvalho, por sua vez, como é a madeira utilizada em outras bebidas alcoólicas, tem um sabor mais familiar, podendo agradar, por exemplo, àqueles que estão se iniciando na água-que-nem-gato nem-passarinho-bebem. Mas, de novo, a maior dica de todas é: experimente! Para ajuda-lo nesses experimentos, conduzimos pelo Mapa da Cachaça nosso próprio laboratório para descobrirmos mais sobre as características de cada madeira:

9. EMBALAGEM
Está aí uma regra que não costuma valer nada na hora de comprar Cachaça. Como publicitário, sei como esta é uma parte que influencia o consumo, mas, no caso da Cachaça, faça força para deixar seu apuro estético de lado e tente não julguar uma Cachaça por sua embalagem. É verdade que produtos com bom acabamento e cuidado em sua apresentação também podem ser um indício de cuidado no fabrico. Mas a maior parte dos produtores de qualidade em atividade hoje ainda não se converteu ao “mundo do marketing”, e produzem excelentes Cachaças ornadas pelos mais improváveis e pouco atraentes rótulos. Alguns são belas exceções, mas não são regra. A Havana, tida como a Cachaça mais famosa e valorizada (embora haja outras que se igualem no salgado preço de R$300 a garrafa), é, por exemplo, envasada em garrafas de cerveja. Portanto, aquele ditado “as aparências enganam” é LEI na terra da caninha.

10. PREÇO
A dica é: desconfie das muito baratas e não ache que, para ser boa, ela precisa ser cara. Há excelentes Cachaças a R$50 a R$65 muito mais vantajosas do que marcas medianas de vodka, e outras, de R$65 a- R$90, por exemplo, que deixam muito whisky no chinelo.

11. REGIÕES (Terroir)
Salinas (MG), Paraty (RJ) e o Sul do Brasil são regiões que têm se destacado na produção de Cachaças Artesanais de qualidade. Mas seria injustiça com as outras falar que apenas a Cachaça dali vale a pena ser provada. A Paraíba e a Bahia, só para dar um exemplo, são estados que se destacam. O Brasil é um país muito grande, e a qualidade da Cachaça pode estar surgir dos locais mais inesperados e apresentando características distintas próprias de um terroir específico. Vira e mexe pipocam excelentes Cachaças por aí. Vale a pena conhecer as peculiaridades das regiões historicamente famosas mas a regra final é: Se é do Brasil, é bom!

12. RANKINGS E GUIAS
Alguns rankings publicados periodicamente por algumas revistas, universidades e organizações do setor (todos publicados pelo MdC, veja aqui: ranking Vip, ranking Playboy, ranking Quissamã, ranking Unesp, ranking ExpoCachaça), podem ajudar muito a você escolher sua Cachaça. São rankings que levam em conta a opinião de pessoas que gostam e/ou entendem do assunto: bons indicativos para você descobrir boas Cachaças.

Deu vontade de tomar uma cachacinha? Compre aqui a sua cachaça Germana no Box Minas Collection.

Créditos da matéria: Mapa da Cachaça

Sobre o Autor

Rodrigo Lemos

Fundador do Turismo Mineiro e apaixonado por viajar por Minas Gerais.

Deixe seu comentário